Visitas pra Juju: 31668

18 de Julho de 2015 / Total de 0 Visualizações

Juju, para pais e mestres

Este livro foi concebido para ressaltar experiências, descobrimentos e, sobretudo, conhecimentos. Sua história não tem o propósito único e exclusivo de agradar apenas as crianças ainda na sua tenra idade, mas as crianças de todas as idades. Sim, de todas as idades, por que não? Quantos adultos recordam à sua infância e, por algum momento, revivem acontecimentos deslumbrantes?

Juju é uma minhoca que acrecita em algo maior, corre atrás dos seus sonhos, dos seus ideais, como acontece com muitas pessoas que desejam crescer como ser humano e enfrentar suas dificuldades com nobreza, para Juju não foi diferente. Ela soube lidar com os seus problemas, suas adversidades e insatisfações, com coragem e determinação. Soube superar com bravura suas limitações e os perigos que as circunstâncias a impuseram, com envolvente força de vontade.

Depois de conviver com um existencialismo pobre, sem a mínima chance de vislumbrar coisas maiores, resolveu criar sua própria história e realizar o seu grande sonho: descobrir o que existe além da escuridão da sua monótona vida e enxergar além do ambiente invisível onde toda sua grande família sempre habitou. Então ela abraçou o seu sonho, colocou sua ambição como testemunha e partiu para encarar a realidade do outro lado do seu mundo, repleto de situações insólitas e selvagens. Esta é a fascinante história de Juju Descobrindo outro Mundo.

Juju vai se aventurar, se autodescobrir, crescer como ser que deseja conquistar a bússola da liberdade, descortinar os seus olhos para um novo horizonte muito mais empolgante e arrebatador. Enfim, encontrar o seu verdadeiro destino, até então inexpressívo e obscuro.

O livro Juju descobrindo outro mundo, em algumas situações, utiliza expressões ou palavras que muitas crianças desconhecem o seu significado. Está aí um belo momento para os pais e os professores enriquecerem o vocabulário dos seus filhos ou alunos, ensinando-os, por exemplo, o que vem a ser espermatozoide, hermafrodita, crisálida, casulo e tantas outras palavras.

É fundamental que os pais e os professores evitem pronunciar palavras e expressões erradas como “ocê” ao invés de você, ou “a abelha morde” em vez de “ferroa” ou “pica”, até mesmo palavrões indevidos, e assim por diante. Quanto aos palavrões, xingamentos, entre outros, é preferível omiti-los, evitá-los. Por isso não devem ser mencionados.

A criança até aos 6 anos está com a mente aberta para grandes descobertas. O arquivo da sua memória está praticamente vazio, suscetível a todo tipo de informação. Portanto é imprescindível aproveitar esta oportunidade para tornar a mente dos seus filhos ou alunos repleta de bons exemplos, de palavras elegantes e bem pronunciadas.

Não os iluda sobre o paradoxo existencial entre o bem o mal. Por instinto, eles irão perceber essa dualidade no convívio do dia a dia. Os filhos sabem diferenciar quando estão sendo corrigidos de forma austera ou por excesso de atitudes e linguagem.

Senhores pais, quando tiverem que tomar alguma atitude, até mesmo, aplicar qualquer atitude de correção aos seus filhos, procurem primeiro se educar. Vocês representam o espelho que refletirá a personalidade deles no futuro. Eles os consideram seus heróis, embora desconheçam a resultante ortográfica entre herói e vilão no sentido mais amplo. Entretanto não tenham dúvida, distinguem perfeitamente quem é o melhor, entre as duas personalidades.

Quanto aos professores e mestres, a maioria sabe com riqueza de detalhes, que a escola é a continuação do lar, portanto, além de ensinar aos seus alunos as disciplinas básicas curriculares, também são conscientes da missão de serem os seus orientadores. Vou citar dois livros que vocês os conhecem muito bem, os quais sintetizam a importância da saudável convivência: O Pequeno Príncipe, de Antoine Saint-Exupéry, e O Meu Pé de Laranja Lima, de José Mauro de Vasconcelos. Duas histórias distintas, mas com o conteúdo rico de exemplos e conceitos que personificam a boa formação da criança como ser humano, na percepção mais ampla da interpretação.

Provavelmente vocês se admiraram com o comportamento curioso do principezinho e o olhar fraterno e amoroso de Zezé, para com o seu único amigo e espelho de conduta: o Portuga. Além da participação da professora que sempre acreditou na sua simplicidade de criança solitária e carente de afeto. E, é claro, o próprio Pé de Laranja Lima, seu confidente e conselheiro.

O livro Juju Descobrindo outro Mundo, é uma locomotiva lotada de exemplos envolvendo comportamentos e boa convivência que as crianças talvez não estejam familiarizadas. Cabe a vocês orientá-las, ensinando-as os seus significados e, se possível, acrescentar outros exemplos construtivos.

Não foi criado de forma banal, vaga. Ele foi escrito com o propósito de instigar a curiosidade, o raciocínio, enriquecer conhecimentos, ressaltar a importância do professor e sua nobre virtude de cativá-los, através da sua generosa habilidade de erigir o caráter dos seus discípulos.

Fraternal abraço,

Dilson Paiva